segunda-feira, 4 de julho de 2011

Pé frio _ Megaartes87a#@6&anal

Não estou no inferno astral nem nada. Mas êta finalzinho de semana complicado.
Sábado fomos à Mega artesanal, eu, W. e Y. Dante com a vovó, eu cheia de planos de encher a sacolinha com cositas rycas. Bem, estacionamento 25 reais lá na ponte que caiu. Andamos muito até chegar à ponta da fila, que parecia a procissão do Círio de Nazaré.Já havia me arrependido da infeliz ideia de ter saido de casa quando, uma hora depois, chegamos à bilheteria a fim de comprar nossos ingressos a 10 plutos cada e aí fomos surpreendidos por uma segurança belzebu perguntando a idade da Y. Ela pediu o RG e nós não o levamos. Sugeriu com a delicadeza de uma pata de elefante que fôssemos embora. Argumentei, solicitei a organização da feira, o juizado de menores, o diabo a quatro e nada... fomos barrados.
Daí, quando já estávamos de saída, encontrei duas senhouras distintissimas, com avental "posso ajudar?" e fui tentar conversar com elas. Mas irritadíssima, uma delas perguntou com toda a grosseria do mundo como tínhamos coragem de sair com uma criança sem a documentação dela. Deu vontade de mandar catar coquinho e até o W., que é o pai da paciência, a perdeu.
W. sugeriu que eu ficasse por lá e depois me buscaria, mas para mim já tinha azedado.
Reavemos o dinheiro do estacionamento, não sem antes ouvir que havíamos ficado mais de uma hora no local. Tivemos que explicar que sim, uma hora numa fila sem organização, repleta de idosos e crianças de colo. Falta de respeito total com o público. E eu queria tanto achar uns breguetes para o álbum de scrap que estou fazendo do primeiro ano de vida do Teteco.
Para aliviar, almocinho na Esfiha imigrantes. Kibe só não mais delicioso que o da minha querida mãezinha, coalhada, esfihas, suco de limão com hortelã...
Tudo perfeito e eis que chega um chato, travestido de palhaço, fazendo umas artes com bola de soprar, incomodando todo o restaurante, falando alto e que ficou uns 15 minutos do meu lad, atendendo a uma mesa vizinha porque a garota inventou que era seu aniversário e ele cismou de fazer uma obra artística, grau de dificuldade não sei das quantas e as bolas estouravam numa proporção de 1 para três. POOOOOOOrrrrreeeeeeeee.
Ainda deixou um cartão caso quiséssemos contratá-lo para festinhas. Feito "munrá" (sei lá como escreve o nome da personagem) respond internamente com uma voz cavernosa "Nunnncaaaaa".
Já sublimei mais da metade do mau humor, mas queria processar a megaharatiticacacacocô pela falta de informação e cuidado com os visitantes, mas pelo jeito não tenho provas.
Se irei na do ano que vem? Claaaaaro. Mas aguardem o que farei, porque nessas horas sou escorpiana mesmo e acredito quase que piamente que vingança é um prato que se come frio. Rá.
Beijos. Estou cinza messs. Talvez seja o frio, talvez seja TPM, talvez seja a senilidade chegando. AFFF.
Fotinhas:
Pelo menos o estômago vai ficar feliz

Esfihas fechadas do W.

Esfiha aberta de queijo, minha preferida

Kibe e coalhada....hummmmmm

Y. com o ursinho feito pelo palhaço chatonildo. De cachecol e tudo.

2 comentários:

  1. Emerson Huguenin5 de julho de 2011 16:46

    Maninha, numa hora dessas que é bom ter um Jorge a tira colo... rsss. Mas é muito desagradável lidar com essas situações. O povo quer mostrar "poder"... o que não têm! Põe um terno e acha que é o Schwarzenegger, põe um colete "Posso ajudar" e acha que é a administradora do evento, a promoter. Vai vendo aí. O Jorge fala uma coisa muito sábia: Nada contra os pobres, humildes e ignorantes, mas o que não dá pra aguentar é gentinha!
    Bom,que sejam melhores os seus dias!
    Beijos em todos por aí.

    ResponderExcluir
  2. Emerson: queria um cri-cri com razão ao meu lado numa hora dessas. Já consultei a tia I. que ficou igualmente indignada. Beijos aos dois.

    ResponderExcluir